quarta-feira, 7 de junho de 2017

As Palavras que o Vento Não Te Leva


Em especial aos meus irmãos: Jorge, Ana, Rossana, Leonel e Artur
Fiquem certos que estas palavras o vento não vos leva!
*

Ligados – somados nas nossas vidas com aquela corrente que não se quebra.
Sem serem preciso juras, sem serem preciso avisos de chegada ou partida.
E, durante toda a vida de mãos dadas, sem que sejam preciso darem-se.
E eu, hei de esperar-te sempre com o mesmo abraço,
e no mesmo cais de embarque de onde te vi partir.
Quando chegares, não batas à porta,
nem avises que vais entrar, que as formalidades ficam noutro mundo que não é o nosso…

Gostava de dar-te sonhos, mas acabo por trocá-los por beijos, abraços,
palavras do que precisas, ou do que precisamos – tanto faz.
E tu, dás-me o que quero: tu, nunca pela metade,
nunca menos que tu…
E é isso que torna este amor, diferente de outro qualquer amor…

Largos são os dias em que não te encontro e, a saudade
traz o teu nome como tatuagens desse amor que se planta na alma e na pele.
E longas são as noites em que nos separamos porque assim tem de ser...

Acabam-se as palavras quando falamos. E os segredos, guardamo-los dos outros,
não de nós.
Podia dizer-te que te amo, mas isso era ser lamechas, e por qualquer coisa do destino,
preferi escrever-te estas linhas.

Só para dizer que o meu cais é o mesmo de onde te vejo partir,
e deixo no mesmo lugar, para que possas sempre voltar.

Como volto ao teu abraço,
só para dizer: Estou aqui…


*

1 comentário:

  1. Muito bonito mana. Podes ter a certeza que o sentimento é recíproco e que esse cais vai estar sempre aqui guardadinho no meu coração!

    ResponderEliminar

Partilha comigo a tua teoria.