quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Apenas Silêncio

 

 

Queria ser silêncio. Tudo o que eu queria e precisava era ser silêncio. Não ser palavras. Não escrever palavras. Não dizer palavras. Ser, apenas, silêncio, só silêncio. É que ser palavras é ser tudo o que nunca quiseste ouvir. É ser as linhas de tudo o que nunca quiseste ler. É ser a complexidade de tudo o que nunca quiseste saber. É ser a razão de todas as coisas que estás a viver, e a sentir, a pensar, a entender. E eu, tu sabes, não suporto ser essas palavras. As que ouves, as que sentes, as que compreendes, as que não compreendes, as que pensas agora. Mesmo que eu já te as tenha dito, mostrado e ou feito sentir, eu não suporto ser essas palavras. Tantas palavras. Eu só queria ser silêncio. Apenas silêncio. Como o silêncio deste abraço que me pedes. Deste abraço que te dou. Deste reencontro que sem palavras diz tudo o que sabemos, tudo o que não sabemos mas pensamos, tudo o que sentimos, sem que seja preciso dizer. Deixa que seja silêncio. Tal como preciso de ser – silêncio. E sê tu a palavra - a única que me podes dizer. Quem sabe a única que ainda espero ouvir:
Shhhhh… Fica…

 

 

*

 

 

1 comentário:

  1. A mim o silêncio também me é necessário... E vou aprendendo que é algo que se aprende, a pouco e pouco... :)

    ResponderEliminar

Partilha comigo a tua teoria.